Existe uma grande quantidade de aplicativos disponível nas lojas, ainda mais do universo infantil. Mas como decidir quais apps baixar para as crianças, ou como saber se são bons ou confiáveis? Fizemos uma lista com 12 dicas de como escolher apps para seus filhos.

Foto de uma mãe, sorrindo, com seus dois filhos numa cabana de cobertores utilizando um app infantil no iPad. Uma criança de aproximadamente dois anos e outra criança, sorrindo, de aproximadamente quatro anos. Há ilustrações de estrelas, um óculos com microfone na criança mais nova e uma tiara do poder.
Apps que simulam experiências estimulam a criatividade e não insere a criança em um mundo à parte em que ela perde a noção de tempo.

1) Compras dentro dos apps

Compras dentro dos apps, ou seja, quando os próprios aplicativos tentam vender “bônus” por exemplo, geram uma frustração na criança e uma ansiedade de consumir que está sendo ofertado. Claro que tudo tem um equilíbrio: não há problema nenhum em ter uma ou outra coisa que ofereçam para melhorar o desempenho de quem utiliza, mas em excesso e a ponto de causar ansiedade do usuário, pode ser perigoso.

2) Propaganda nos apps

Tente optar pelos aplicativos sem propagandas. Há estudos que indicam que as propagandas infantis em apps são mais violentas e “certeiras” do que as propagandas em televisão. Segundo uma matéria do popular Science baseado numa pesquisa publicada no Journal of Developmental and Behavioral Pediatrics, a regulamentação de propagandas infantis funciona diferente nos aplicativos: é menos efetiva, Para atingir a eficácia desejada, essas propagandas tratam crianças como pequenos adultos. No entanto, as crianças não conseguem perceber a diferença do que é propaganda e jogo dentro dos apps, e isso pode ser prejudicial.

3) Ícones de competência dos apps

Alguns aplicativos indicam os ícones de competência logo na descrição da loja. É bastante interessante pois você consegue ter uma noção das habilidades que seu filho pode desenvolver ao utilizar os apps. Exemplo: muitos de educação auxiliam na alfabetização.

4) Apps viciantes

Há algumas técnicas e estratégias utilizadas pelos apps de jogos que induzem ao vício. Existem alguns aplicativos liberados para crianças chamados ‘sandbox’, em que os usuários criam um mundo virtual e não existe nenhuma ou poucas dificuldades para que o jogador tenha objetivos ou barreiras dentro dos jogos, como terminar as vidas, por exemplo, que é o que faz os usuários pararem de jogar.

Outra dinâmica que leva ao vício são os jogos chamados ‘variable ratio reward’ (recompensa variável, em inglês), mesmo sistema utilizado em cassinos. Nesses games, o usuário consegue prêmios facilmente todos os dias, com qualidades aleatórias. Essa dinâmica faz com que o cérebro fique condicionado para checar os aplicativos diariamente e, com facilitadores como as roletas de prêmio do jogo ou a conexão com as redes sociais em que o usuário pode pedir vidas e prêmios aos amigos, os usuários passam horas voltando nos aplicativos para verificar se já pode voltar a jogar.

Há muitos apps com essas características no mercado e é preciso estar atento ao que as crianças consomem.

Mas e agora? Como posso saber quais apps não terão essas características?

De modo geral, os apps infantis que simulam experiências, como o preparo de uma comida, leitura de um livro ou um corte de cabelo são ótimos exemplos, pois a criança consegue fazer uma conexão com as experiências virtuais e o mundo real, e vice-versa. Estes aplicativos estimulam a criatividade e não insere a criança em um mundo à parte em que ela perde a noção de tempo.

Truth and Tales, um aplicativo que reúne livros infantis interativos, é o primeiro lançamento da Explot. Por enquanto, o aplicativo conta com um livro disponível, mas já estamos na produção dos próximos.

O nome do primeiro livro é A Criança e o Dragão, e conta a história de uma criança que procura pelo reino em que mora algo que lhe falta. A história traz vários minigames e é contada de tal forma que prende a atenção de quem lê.

5) Classificação indicativa

Só baixe os aplicativos que estiverem de acordo com a idade de sua/seu filha(o). Se a criança está fora da classificação indicativa, é porque o conteúdo é muito difícil ou há elementos dentro dos apps que não foram pensados para pessoas fora da classificação.

6) Controle de Luz Azul

Controle de luz azul serve para que o sono da criança não seja tão afetado quando os aplicativos são utilizado de noite. Há vários disponíveis com esta ferramenta.

7) Número de downloads e feedback

Checar o número de downloads dos apps e os tipos de comentários são boas referências para decidir se valem a pena, se funciona, se o desenvolvedor está a disposição para resolver bugs e responder os usuários.

8) Storytelling (narrativa)

Storytelling é a forma com que a história é contada, seja através de um jogo, apps de educação, ou vídeos. Sempre há uma história e um contexto por trás das coisas. E é importante checar se a criança consegue acompanhar a complexidade da narrativa, e se a mesma é apropriada com o contexto em que a criança vive.

9) Tipos de apps (jogo, social, vídeo, educativo)

É legal sempre ficar de olho nos tipos de apps que seu filho quer baixar. Ter um equilíbrio entre jogos, aplicativos de vídeo, educativos e livros vale muito a pena. Vale lembrar que apps sociais como Facebook e Instagram só são permitidos a partir dos 13 anos.

10) Selos e prêmios

Ter selos e prêmios significa qualidade, já que o aplicativo passou pela revisão e crítica de pessoas que não são os desenvolvedores e “competiu” com outros apps pelos selos ou prêmios.

11) Empresa

É sempre recomendável pesquisar sobre a empresa que desenvolve os jogos e aplicativos. Tem site? Desenvolveu outros apps? Existe um FAQ? Além disso, dá mais segurança se você tiver alguma dúvida ou problema para resolver em relação ao aplicativo.

12) Controle Parental

É uma ferramenta essencial nos apps para que a criança não tome algumas decisões sem a presença dos pais, como compras sem a permissão.