As redes sociais estão cada vez mais presentes nas nossas vidas. Compartilhar a rotina, viagens, o que comemos, quem encontramos e o que estamos ouvindo já não é estranho, tanto que existem pessoas que fazem disso seu trabalho e sua fonte de renda. Em meio a tudo isso, alguns cuidados que precisamos ter nas redes sociais passam despercebidos, em especial por pais e pessoas que vivem com crianças.

Apesar da internet proporcionar coisas muito boas, como redes de apoio de mães e pais, por exemplo, há certos comportamentos que precisam ser revistos e questionados. Será que é saudável que uma criança cresça com tantos momentos de sua vida expostos na internet? A principal ferramenta para continuar saudável nas redes sociais é o bom senso, mas compartilhamos aqui uma tradução do guia de redes sociais para mães e pais feito pelo Common Sense Media para facilitar essa auto avaliação.

Pense antes de postar qualquer coisa.

Para você, a imagem do ultrassom do seu bebê pode ser a coisa mais preciosa do mundo. Para o resto do mundo, é só mais um conteúdo. Plataformas de redes sociais rastreiam dados, os seguidores “julgam” o seu post e, como qualquer outra coisa, suas informações podem ser copiadas, compartilhadas, ou usadas de outras formas. Faça as três perguntas abaixo para determinar se você precisa expor menos o seu post. Se sim, você pode enviar a publicação para pessoas específicas, criar um grupo privado só com convidados, ou ajustar o seu perfil para o modo privado.

  • Como isso fará outras pessoas se sentirem? Talvez seus seguidores já estejam cansados de ver as fotos do seu bebê no feed. Apesar de ser um problema deles, é um parâmetro para saber se você está postando muita coisa do seu filho. Ou eles podem não concordar com a criação do seu bebê ou a forma como você expõe isso na internet, e pode surgir comentários maldosos em suas fotos.
  • Qual o tamanho da minha rede de contatos? Você pode estar conectado com pessoas que você mal conhece, e você não tem garantia de que essas pessoas tenham interesse ou boas intenções em relação à sua família.
  • Meu perfil é público ou privado? Histórias sobre fotos de crianças que caíram em mãos erradas – por exemplo, fotógrafos que procuram fotos de bebês para vender, ou pessoas mal intencionadas usando imagens de formas incorretas – são um risco crescente. Essas pessoas conseguem esse tipo de conteúdo em perfis abertos.

Evite o “super compartilhamento” (over-sharenting, em inglês)

O que é o super compartilhamento? Fotos de cocô, constantes compartilhamentos de cada risada, lives de momentos íntimos como amamentação, hora do banho ou da fase em que a criança está aprendendo a usar o banheiro. Pense no conteúdo e na frequência com que você posta nas redes sociais.

Saiba quando se consultar com profissionais

É bom receber informações de seus amigos online, ou dicas de maternidade da blogueira que você gosta pelas redes sociais, mas em relação ao assuntos mais importantes (como alimentação,saúde e segurança, dinheiro e educação, por exemplo), fale com seu pediatra, professor, consultor financeiro, ou até a sua mãe. As coisas com consequências mínimas, como quando colocar sapatos no bebê ou o melhor momento para cortar as unhas é ok para consultar a comunidade online.

Seja cuidadoso com as “pegadas digitais” dos seus filhos

Muitos pais criam contas nas redes sociais para seus bebês com a intenção da criança usar quando já tiver idade suficiente (13 anos, na maioria dos casos). Enquanto pode ser divertido para parentes e amigos próximos terem notícias da criança, o perfil cria uma “pegada digital” que engloba rastreamento de dados, marketing e outros problemas de privacidade. Se você decidir criar um perfil assim para o seu bebê nas redes sociais, tenha certeza de que há o mínimo de informações possível, deixe o perfil no privado e evite postar fotos que podem deixar a criança envergonhada quando crescer.

Algumas questões para pensar:

  • Você pode adorar as fotos do seu bebê nas redes sociais tomando banho na banheira, mas como ele ou ela vai se sentir em relação a essa foto quando crescer?
  • Crianças e adolescentes podem não gostar que você utilizou seus nomes para criar contas nas redes sociais em consentimento.
  • As plataformas de redes sociais têm como regra usuários maiores de 13 anos porque as empresas usam os dados – basicamente quem seus amigos, onde você clica e o que você acessa na internet – para criar um perfil demográfico, no qual podem vender para empresas de marketing digital, por exemplo. Os dados não são pessoalmente identificado, mas ainda sim, é muito importante saber e considerar que estão acompanhando os movimentos online de seu filho ou filha deste bebê.

Seja prático

Assine um serviço de armazenamento de fotos. Como sabemos que existem muitos pais que usam as redes sociais como um ‘álbum de fotos’, essa é uma boa solução. Plataformas de armazenamento como Flickr, Google Fotos, e até Dropbox ou Google Drive são ótimas para essa função. Você pode compartilhar com quem quiser e até organizar as fotos em pastas. Estas opções oferecem o pacote gratuito, que tem um certo espaço disponível. Se você precisar e quiser ter mais espaço, você tem a opção de comprar mais espaço.

:: Leia também: O que é preciso saber sobre publicidade infantil? ::

Proteja o seu bem-estar

Fique longe de gatilhos. As postagens de blogueiras ou outras pessoas que você segue que parecem ter uma vida perfeita podem te fazer mal, afinal, você pode, sem querer, começar a comparar a sua situação com o que você consome nas redes sociais. Deixe de seguir contas que fazem você se sentir mal.

Altere suas configurações. A maioria das redes sociais permite silenciar contas, na qual as postagens dessa conta não aparecem mais na sua linha do tempo. Você continua tendo acesso, mas só se visitar o perfil da pessoa. Quem teve a conta silenciada não fica sabendo e você pode voltar atrás quando quiser.

Gerencie suas notificações. Quanto mais o celular te chama, mais você tem vontade de olhar as notificações e conferir as novidades, o que pode se tornar cansativo. Você pode desativar totalmente as notificações (recomendamos, principalmente das redes sociais!) ou permitir que receba apenas mais importantes.

Afaste-se. Os impactos das redes sociais ainda não são totalmente compreendidos. Novos pais podem ser mais vulneráveis, e as redes sociais não ajudam no quesito confiança. Se você tiver mais momentos sentindo-se mal do que bem em relação ao mundo online, e compartilhar fotos da sua vida não te faz se sentir melhor, converse com um profissional sobre o que você está passando.