A eficácia do dever de casa para crianças pequenas

É raro encontrarmos uma criança que goste de fazer o dever de casa. Sabemos que “Já fez a lição?” é uma frase bem comum entre as famílias, e geralmente vem seguida de um cabo de guerra entre pais e filhos.

Hoje em dia, crianças cada vez mais jovens chegam em casa depois da escola com pilhas de lição de casa. Será que os deveres são mais importantes do que brincar e descansar? Até que ponto que a lição de casa é realmente eficaz e necessária?

Traduzimos uma matéria do site Salon que traz uma pesquisa sobre até onde as lições de casa têm benefícios para estudantes do primário do ensino fundamental.

Reavalie e questione

Não há evidências de que qualquer quantidade de dever de casa melhora na performance acadêmica de estudantes do primário.

Esta citação foi feita por Harris Cooper, que pesquisador da Duke University. Será verdade que as horas de brincadeiras perdidas, lutas pelo poder (conhecidas também como “manhas”) e muitas lágrimas roladas são inúteis? Que milhões de famílias passam por um ritual noturno que não ajuda? O dever de casa é uma prática tão aceita que é difícil para a maioria dos adultos questionar seu valor.

Mas ao olhar com mais cuidados aos fatos, é isso que vai encontrar: dever de casa tem benefícios, mas é intimamente dependente e relacionado com a idade da criança.

O que as pesquisas mostram sobre o dever de casa

Para crianças do ensino primário, pesquisas sugerem que estudar durante as aulas promove resultados de aprendizado mais altos, enquanto trabalhos da escola para fazer em casa são apenas… trabalho extra.

Do 6º ao 9º ano a relação entre sucesso acadêmico e dever de casa é, na melhor das hipóteses, mínimo. Quando as crianças atingem o ensino médio, dever de casa oferece benefícios acadêmicos, mas apenas com moderação. Cerca de duas horas por noite é o limite. Depois dessa quantidade, os benefícios diminuem.

Etta Kralovec, professora de Educação na Universidade do Arizona, concorda: “A pesquisa é muito clara. Não há benefícios quando estão no primário do ensino fundamental.”

Antes de continuar, vamos desmistificar que os resultados da pesquisa são devidos a estudos mal construídos. Na verdade, é o oposto. Cooper compilou 120 estudos em 1989 e outros 60 em 2006.

A análise abrangente que ela fez em cima dos estudos compilados não encontrou evidências acadêmicas de benefícios nas séries primárias do ensino fundamental. No entendo, encontrou um impacto negativo na atitude das crianças em relação à escola.

Qual o impacto?

É isso que preocupa. Dever de casa tem impacto nos estudantes mais novos, mas não é positivo. Uma criança que acabou de entrar na escola merece uma chance de desenvolver o amor pelo aprendizado.

Ao invés disso, dever de casa nos primeiros anos escolares faz com que muitas crianças se voltem contra a escola, contra as futuras lições de casa e o aprendizado acadêmico. E é uma longa jornada. Uma criança no jardim de infância tem que lidar com 13 anos de dever de casa a sua frente.

Também tem os danos nas relações pessoais. Em milhares de lares pelo país, a batalha do dever de casa é diário. Pais incomodam e tentam persuadir os filhos a fazer a tarefa. Crianças cansadas protestam e choram. Ao invés de se conectar e dar suporte uns aos outros no fim do dia, muitas famílias se veem presas no cíclico “Você fez o dever de casa”?

Crianças pequenas e o dever de casa

Quando o dever de casa é dado muito cedo, é difícil para as crianças mais novas terem que lidar com as tarefas de forma independente — elas precisam de um adulto para lembrá-las dos deveres e descobrir como fazê-los.

As crianças criam o hábito de contar com os adultos para ajudá-las a fazer a lição de casa, ou, em muitos casos, para fazer as suas tarefas. Os pais assumem com frequência o papel da “patrulha da lição de casa”.

Ser o chefe irritante é uma tarefa chata que ninguém quer ter, mas isso se mantém até o ensino médio. Além do conflito constante, ter uma patrulha dos deveres em casa desvia de um dos principais propósitos da lição de casa: ter responsabilidade.

Os apoiadores dos deveres de casa defendem que as lições ensinam responsabilidade, reforçam as atividades aprendidas na escola e criam um link escola-casa com os pais.

Contudo, pais que se envolvem na vida escolar dos seus filhos podem ver o que volta na mochila da criança e iniciar o hábito de compartilhar os aprendizados do dia — eles não precisam monitorar a tarefa de casa para saber o que seus filhos tiveram naquele dia na escola.

E a responsabilidade?

Responsabilidade é ensinado diariamente de diferentes formas: é para isso que servem os animais estimação e as tarefas de dentro de casa. É preciso de responsabilidade para uma criança de 6 anos lembrar de trazer seu chapéu e sua lancheira de volta para casa.

É preciso responsabilidade para uma criança de 8 anos se vestir, arrumar sua cama e ir para a escola todos os dias. São tarefas que precisam ser reforçadas e relembradas todos os dias, mas não são os únicos fatores de aprendizado.

Prioridades não-acadêmicas (uma boa noite de sono, o relacionamento familiar e hora de brincar) são vitais para o equilíbrio e bem-estar. Elas também impactam diretamente na memória, foco, comportamento e potencial de aprendizado das crianças.

As lições fundamentais são ensinadas e reforçadas todos os dias em sala de aula. O tempo de depois da escola é precioso para o descanso da criança.

O que funciona mesmo

O que funciona melhor que o dever de casa tradicional, para as crianças do primário, é ler simplesmente em casa: pais lendo em voz alta para as crianças, ou as crianças lendo sozinhas. O segredo é fazer da leitura um momento de prazer. Se a criança não quiser praticar as habilidades de leitura depois de um longo dia na escola, leia para ela.

Qualquer projeto de casa deve ser opcional e ocasional. Se a tarefa não promove mais alegria em relação à escola e interesse em aprender, então não há lugar para a atividade nas salas de aula de crianças do primário.

Dever de casa não tem espaço na vida de uma criança pequena. Sem benefícios acadêmicos, há maneiras melhores de utilizar o tempo nos horários depois da escola.

Como ajudar as crianças a desenvolverem uma boa auto-estima

Auto-estima é o quanto as pessoas se valorizam e o quão importante elas acreditam que são para elas mesmas e no mundo. Uma auto-estima positiva é quando as pessoas se sentem bem consigo mesmas. E nas crianças, como funciona a auto-estima? Por que é tão importante? Aprenda mais sobre auto-estima e como ajudar seu filho a construí-la.

Por que uma alta auto-estima é importante para crianças

Todas as crianças são capazes, mas as que têm alta auto-estima se sentem e se percebem confiantes e capazes, valorizam suas habilidades e a elas mesmas. Se orgulham das coisas que podem fazer e querem dar o seu melhor.

Quando crianças se sentem confiantes e seguras sobre quem são, é mais provável que tenham uma mentalidade sempre em crescimento. Isso significa que elas podem se motivar a enfrentar novos desafios, lidar e aprender com os erros, se defender e pedir ajuda quando precisam, com mais facilidade.

Como crianças desenvolvem auto-estima

Crianças desenvolvem auto-estima trabalhando com um objetivo e ver o seu trabalho ser reconhecido. Alcançar objetivos comprova para elas mesmas que têm o que é preciso para enfrentar novos desafios. Seu sucesso faz com que se sintam bem com elas mesmas, e aprendem que não há problema em falhar. Quando as crianças se saem bem em alguma coisa e o que fazem é reconhecido por pessoas próximas que elas gostam, também se sentem bem. Como tempo, elas continuam a construir uma boa auto-estima.

Quando crianças têm uma boa auto-estima, elas:

  • Se sentem respeitadas
  • São resilientes e sentem orgulho mesmo quando erram
  • Têm um sentimento de controle sobre as atividades e eventos das suas vidas
  • Agem de forma independente
  • Se responsabilizam pelas suas ações
  • São confortáveis e seguras na construção de relacionamentos
  • Têm coragem para tomar decisões, mesmo que sob pressão.

O pedágio da baixa auto-estima em crianças

Muitas crianças têm problemas em construir ou manter uma auto-estima elevada por muitas razões. Uma razão muito comum é quando a criança tem problemas na escola.

Se a criança falha na escola, seja repetindo de ano ou tirando notas baixas, provavelmente não recebe muitos comentários positivos e reconhecimento dos professores ou colegas de classe. Geralmente, o feedback que recebem é negativo, já que constantemente ouvem sobre o que não fizeram bem, ou que não foi suficiente.

Em alguns casos, as crianças podem receber feedbacks positivos que não são sinceros. Isso pode fazer com que não confiem nos adultos que supostamente as ajudam, ou a desconfiar de outras crianças que seriam suas amigas.

Como resultado, elas têm menos certeza de si mesmas e de suas habilidades. Elas se sentem menos motivadas a tentar coisas difíceis e podem ter dificuldade em lidar com erros e problemas. No fundo, elas podem não acreditar que são dignas de sucesso ou de algo bom.

Crianças que têm baixa auto-estima podem:

  • Se sentir frustrada, com raiva, ansiosa ou triste;
  • Perder interesse em aprender
  • Ter dificuldade em fazer e manter amigos
  • Ser um alvo mais fácil de bullying ou intimidação
  • Ser excluído ou ceder à pressão de colegas
  • Desenvolver maneiras destrutivas de lidar com desafios, como desistir, evitar, não levar a sério ou ficar em negação
  • Crianças com baixa auto-estima também podem ter dificuldades em desenvolver habilidades para se defenderem.

Como ajudar seus filhos a desenvolverem auto-estima

Construir uma boa auto-estima é possível. Crianças podem aprender e melhorar a maneira como se veem e se valorizam. Para isso, ter pais ou responsáveis realistas — mas não super protetores — é fundamental. Pedir aos professores que sejam realistas e solidários também é importante.

É importante elogiar seus filhos de maneiras que desenvolvam a auto-estima e guiá-los para que reconheçam e se orgulhem de seus esforços e realizações. Elogie os esforços das crianças, e não tudo o que elas fazem. Crianças sabem quando o que fizeram ou bem-sucedido e quando não foi. Quando seus filhos terminam uma tarefa, pergunte:

  • O que teria que ter acontecido para ter dado certo?
  • O que você não conseguiu?” “Por que você não conseguiu?
  • Que legal, você conseguiu! O que você fez que ajudou a alcançar seus objetivos?

A amizade é uma parte importante na construção de uma auto-estima elevada. Isso não significa que seus filhos precisam ter milhares de amigos ou ser popular. Ter um amigo que aceite seu filho ou filha por quem ele/ela é, já faz toda a diferença. Ajude seus filhos a descobrirem o que eles gostam de fazer, e a desenvolver as habilidades relacionadas.

:: Leia também: A quantidade de carinho que bebês recebem pode afetar o DNA ::

Como elogiar seus filhos de maneiras que desenvolvam uma boa auto-estima

Elogiar crianças (de forma genuína) é importante, mas é ainda mais significativo que crianças aprendam a reconhecer e apreciar seus próprios feitos. O que você diz e como diz pode ajudar as crianças a reconhecer coisas das quais dão orgulho para elas mesmas. Aqui estão algumas sugestões:

Situação: O projeto que você está analisando é bom, mas sabe que a criança poderia ter se esforçado mais.Tente dizer: “Esse é um bom começo.” ou “Como você gostaria que ele ficasse?”A conexão de auto-elogio: Essa abordagem ajuda a criança a refletir se o seu trabalho está de acordo com as suas expectativas. Isso também pede que considerem o quanto eles trabalharam e se estão orgulhosos do esforço que fazem.

Situação: Seu filho/a fez algo bem, mas está subestimando sucesso do seu esforço.Tente dizer: “Você pode achar que não é grande coisa, mas foi gentil da sua parte defender seu amigo” ou “Parece que você está orgulhoso! O que mais faz você se sentir assim?”A conexão de auto-elogio: Essa abordagem aponta o que você acha que merece elogios e o que você valoriza. Também pede às crianças que pensem sobre o que têm orgulho e o que valorizam.

Situação: Você sabe que seu filho/a trabalhou duro, mas não atingiu a meta estipulada.Tente dizer: “Lamento que você não tenha atingido seu objetivo. Você chegou perto! Você acha que consegue da próxima vez? O que acha de pedir ajuda se sentir necessidade?” ou “É bom que tenha gostado dos livros que leu, mesmo que a leitura possa ser difícil para você.”A conexão de auto-elogio: Essa abordagem pede às crianças que reflitam sobre o que funcionou, e não apenas sobre o que precisa ser aprimorado. Também ajuda as crianças a aprenderem a fazerem o que gostam, mas não são ótimas.

Situação: Seu filho/a gabaritou numa prova – e sabe disso.Tente dizer: “Eu adoraria saber como você conseguiu! Quais estratégias você usou?” ou “Posso ver que você está animado/a! Você trabalhou muito”.A conexão de auto-elogio: Essa abordagem lembra as crianças que fazer algo de forma consciente exige algum esforço, mesmo que não duvidassem que poderiam fazê-lo. Essa abordagem pede às crianças que percebam que o que fizeram levou ao sucesso, e ajuda a reconhecer e se orgulhar do resultado.

Créditos: Understood

Como as Teaching Stories podem ser combinadas com a tecnologia?

Depois do nosso último post, imaginamos que você já saiba os benefícios das teaching stories. Mas onde podemos identificar os elementos das teaching stories nos contos?

Organizamos um material baseado no Truth and Tales, o app que lançamos, explicar melhor como as teaching stories se dão na prática.

Além dos benefícios das teaching stories, os livros têm outros destaques, como a opção de serem narrados ou sem som para a criança ler sozinha ou acompanhada dos pais. As histórias contarão com uma ferramenta de karaokê, onde as palavras lidas pelo narrador ficam amarelas, facilitando na leitura e auxiliando as crianças em alfabetização. Também serão interativos, dessa maneira, a criança não será uma mera espectadora: ela poderá participar da história e ter uma experiência mais imersiva.

Nesta cena da história que lançamos no aplicativo há alguns elementos das teaching stories:

Infográfico de teaching stories. Foto de menina com um buquê de flores ao lado de um dragão desenhado. Os itens Negociação e Empatia saem do dragão, e os itens Padrões de comportamento e Negociação saem da criança.
Infográfico Teaching Stories

O que acontece na cena da teaching stories é o seguinte: a criança precisa de um elixir para resolver seus problemas. O elixir se encontra dentro na caverna do dragão. Antes de encontrar o dragão, a criança passou por uma vila onde os aldeões estavam bravos e com raiva do dragão porque ele soltava fogo e queimava tudo. A criança e o dragão conseguem resolver a questão de uma forma diferente do que costumamos encontrar em histórias infantis.

Elementos presentes no exemplo acima e nas teaching stories:

1) Negociação: Criança e Dragão precisam de coisas que desejam. A Criança chega na caverna do Dragão sabendo que ele tem o que ela precisa. Ele dialoga com ela e, conversando e cada um expondo seus motivos e pontos de vista, conseguem chegar a um acordo em que ambos saem felizes.

2) Padrões de comportamento: as personagens que compõem as teaching stories não têm um padrão comportamental, ou seja, não há heróis, mocinhos ou vilões. Neste caso, a criança, que é a personagem principal, quer enfrentar o dragão antes mesmo de conhecê-lo.

Nos contos mais “tradicionais”, personagens principais não demonstram sentimentos considerados negativos de forma explícita, como raiva e tristeza. Antes do Dragão aparecer em cena, ele era tido como o antagonista. Ao desenrolar do conto, a criança se surpreende com o comportamento do Dragão, e percebe que ele não é quem parecia ser.

3) Empatia: Quando a Criança e o Dragão dialogam sobre os motivos pelo qual ele sopra fogo, ela entende e percebe seu problema, e se coloca em seu lugar.

4) Percepção: A Criança chega na caverna do Dragão disposta a derrotá-lo e conseguir o que deseja. Tanto o Dragão quanto a Criança percebem que ambos têm problemas a ser resolvidos e que nenhum deles é bom o mau por conta disso, após se conversarem e conseguirem ver o lado de cada um.

Estes elementos são colocados nas teaching stories dentro de uma estrutura particular onde a criança absorve de forma fluida, já que o contexto em que estão inseridos é coerente.

O que são Teaching Stories?

Histórias e contos são elementos presentes na vida de crianças de quase todas as culturas do mundo. É por meio delas que sabedorias, valores e costumes permanecem vivos através das gerações. Conheça as teaching stories!

Mas será que as histórias tradicionais, que estão presentes em muitas culturas principalmente ocidentais, transmitem a mensagem com o mesmo objetivo de quando foram criadas? Será que elas contém os elementos necessários para que a mensagem e intenção iniciais permaneçam intactas ao longo dos anos? Neste post, vamos falar um pouco sobre tipos de histórias diferentes chamadas teaching stories.

Foto de mãe e filha, de aproximadamente 4 anos, lendo um livro de teaching stories juntas. Ilustrações de borboletas e lâmpadas saindo do livro
Teaching stories atuam diretamente no desenvolvimento cognitivo.

Existem alguns contos orientais que foram criados com alguns elementos permitindo que a intenção real sobreviva e toque muitas pessoas através das gerações. São as teaching stories.

As teaching stories não trazem moral da história nem repetição de padrões já conhecidos e naturalizados pelas pessoas – característica esta que muitas histórias folclóricas repetem . Teaching stories utilizam certas palavras e eventos que, organizadas de tal maneira, atuam no cérebro de forma diferente.

Como funciona?

Os modos surpreendentes com que os personagens das teaching stories conseguem solucionar um causo incentivam o cérebro a ampliar e perceber novas possibilidades, atuando diretamente no desenvolvimento cognitivo.

Como as teaching stories não fazem parte dos padrões de associações comportamentais, as crianças conseguem desenvolver mais flexibilidade na hora de solucionar problemas e lidar com situações em que não estão acostumadas a viver. Se as crianças tiverem contato com as teaching stories, elas poderão se tornar adultos mais preparados para o inesperado e mais perceptíveis em relação à inteligência emocional e a si mesmas.

A eficácia das teaching stories no cérebro das pessoas está baseada em estudos. Um dos pesquisadores sobre o assunto foi o psicólogo e autor Robert Ornstein. Muitas das teaching stories que Robert Ornstein pesquisou foram publicadas pelo também professor, autor e pesquisador inglês Idries Shah.

Você pode conferir as teaching stories publicadas por Idries Shah no site da Fundação Idries Shah. Além das teaching stories, há uma grande variedade de livros, aulas em áudio e textos sobre crianças, literatura infantil, psicologia infantil e psicologia em geral. Vale a pena conferir!