fbpx

Tecnologia: quando devo apresentar para meus filhos?

“Quando devo apresentar a tecnologia para as crianças?” Como uma empresa de tecnologia voltada para o público infantil, ouvimos essa pergunta com muita frequência de amigos, familiares e pessoas próximas, sejam pais, tios, avós ou pessoas que planejam ter filhos algum dia.

A nossa primeira dica é: não dê tablet e celular antes da criança completar dois anos de idade. A exposição das telas a crianças menores de dois anos não traz benefícios e pode acarretar atraso em funções cognitivas. Vale lembrar que a televisão também é tela e deve seguir os mesmos cuidados do celular e tablet!

Se a criança tem mais de três anos e já pede pelas telas, fizemos um post sobre os limites de tempo de exposição das telas.

Muitos adultos ficam preocupados quando seus filhos, netos, sobrinhos ou crianças próximas não se interessam pelas telas, não pedem para mexer no celular ou não são muito “da televisão”. Fique tranquilo: ele ou ela não vai ficar atrás dos coleguinhas no quesito tecnologia.

A tecnologia avança cada vez mais rápido e crianças que aprenderam a mexer em celulares nos anos 2010 terão que reaprender a mexer nos de 2020, que já terá uma tecnologia totalmente diferente. A tecnologia foi feita para ser intuitiva e fácil de usar. Se sua filha ou filho se interessar aos 12 anos de idade, pode ter certeza que irá aprender a pilotar a máquina bem rápido e com facilidade. O mesmo vale para crianças de 5, 7, ou 10 anos.

Quanto mais tarde tiver contato com celulares e tecnologia, mais protegida a criança estará. Sabemos que há muitos benefícios: muitos apps que visam o desenvolvimento da criança estão surgindo e são verdadeiros parques de diversões para a criatividade dos pequenos, mas não podemos ignorar o fato de que a tela seduz. Se nós, adultos, já perdemos a noção do tempo quando estamos no celular, imagine uma criança.

Nosso posicionamento é esse: quanto mais a criança quiser esperar pra começar com a “vida tecnológica”, mais benefícios da tecnologia ela terá. O que não significa que precisamos polarizar. Se a criança demonstrar interesse ainda nova, não tem problema deixá-la usar se utilizar com responsabilidade, com a participação e supervisão de adultos, com limite de tempo e consumindo conteúdos de qualidade e indicados para a sua idade.

A habilidade que os pais devem ensinar às crianças na era da tecnologia

Traduzimos um artigo escrito por Nir Eyal para o portal make it, da CNBC. Nir Eyal escreve, ensina e dá consultorias sobre a intersecção entre psicologia, tecnologia e negócios. Já deu cursos em Stanford Graduate School of Business e já escreveu para revistas renomadas como Harvard Business Review, Atlantic, TechCrunch e Psychology Today. O artigo fala sobre como os pais lidam com as crianças e os limites de tempo de telas. Confira o artigo traduzido:

Como pais, tudo o que queremos é criar pessoas espertas e focadas, especialmente num mundo onde a distração digital é quase inevitável. Até os titãs da tecnologia como Steve Jobs e Bill Gates usavam estratégias para limitar o tempo de tela de seus filhos.

Por que? Porque, no futuro, terão dois tipos de pessoas: aquelas que deixam que sua atenção e suas vidas sejam controladas e coagidas por outros; e aquelas que se dizem “indistraídos”, “não-distraídos” com orgulho.

Tornar-se um “não-distraído” é a habilidade mais importante do século XXI — e é a habilidade que muitos pais falham em ensinar seus filhos. Depois de muitos anos estudando a intersecção da psicologia, tecnologia, e como nós nos engajamos com isso, um dos maiores erros que eu vejo os pais cometerem é não encorajar seus filhos a terem autonomia e controle do seu próprio tempo.

Permitir que façam isso é um grande presente; ainda que tropecem vez ou outra, falhar e errar faz parte do processo de aprendizado. Pais e mães precisam entender que está tudo bem em colocar as crianças no comando, porque é assim que elas aprendem monitorar dos seus comportamentos e aprender a como manejar seu próprio tempo e atenção.

Ensine as crianças ainda novas

Quando minha filha tinha 5 anos e já insistia no “tempo do iPad” com protestos implacáveis, eu e minha esposa sabíamos como poderíamos lidar com a situação. Depois que nos acalmamos, fizemos o melhor para que respeitássemos suas necessidades. Nós explicamos da forma mais simples que conseguimos que ficar muito tempo nas telas vem às custas de outras coisas.

Como minha filha estava aprendendo a ver as horas no jardim de infância, pudemos explicar que ela estava ficando muito tempo nas telas em relação às outras coisas que gostava de fazer. Gastar muito tempo com apps e vídeos significa menos tempo para brincar com os amigos no parque, nadar na piscina ou estar com a mamãe e o papai.

A dúvida e desconfiança do consumidor é saudável

Também explicamos que a maioria dos apps e vídeos no iPad foram criados por pessoas muito espertas, e que fizeram com a intenção de manter as pessoas envolvidas e com o hábito de assistir e usar seus apps e vídeos cada vez mais.

Entender que a maioria das empresas é motivada a manter as crianças gastando seu tempo nas telas ao invés de brincar é uma parte importante do ensino da alfabetização tecnológica.

É importante que as crianças entendam a motivação das empresas de games e redes sociais: enquanto esses produtos vendem diversão e conexão, eles também lucram com nosso tempo e atenção.

Isso pode parecer muita coisa para uma criança de 5 anos, mas sentimos uma forte necessidade de nutrir nossa filha de informação para que ela mesma tenha a habilidade de tomar decisões sobre como vai usar as telas e aplicar suas próprias regras.

Crianças precisam de uma quantidade suficiente de autonomia

Nós perguntamos quanto tempo de tela ela achava que seria bom para ela. Nos arriscamos dando autonomia para tomar essa decisão por ela mesma, mas valeu a pena.

A resposta que eu estava esperando era “O dia inteiro!”, mas não foi o que aconteceu. Armada com as informações da lógica por trás do porquê limitar o tempo de tela é importante, e com a liberdade de tomar decisões em suas mãos, ela timidamente pediu por “dois programas”. Ou seja: dois episódios de um programa da Netflix de 45 minutos apropriado para o público infantil, eu expliquei.

Eu perguntei a ela de forma sincera: “45 minutos por dia parece ser a quantidade certa de tempo de tela para você?”. Ela acenou que sim com a cabeça e, pelo sorriso tímido, posso dizer que ela achou que conseguiu o melhor acordo. Até onde eu sei, 45 minutos estava ótimo pois sobrou bastante tempo para outras atividades.

“Como você planeja saber que não vai passar mais de 45 minutos por dia assistindo aos programas?”, eu perguntei, não querendo perder a negociação que ela claramente sentia que estava ganhando. Ela propôs usar o timer da cozinha, assim ela mesma poderia ligar.

“Parece bom! Mas se a mamãe ou o papai notarem que você não está conseguindo cumprir com o acordo que fez com a gente, vamos ter que conversar de novo sobre isso”, eu disse e ela concordou.

Previna distrações com “pactos de esforço”

Hoje, aos 10 anos de idade, minha filha continua no comando de como gastar seu tempo de tela. Ela fez alguns ajustes nas diretrizes impostas por ela mesma ao longo que crescia, como negociar o tempo de tela nos dias de aula para uma sessão de cinema nos finais de semana. Ela também trocou o timer da cozinha por outros instrumentos: agora ela pede para a Alexa, da Amazon, avisá-la quando atingir seu limite de tempo.

O importante é que são as regras dela, não nossas, e que ela está no comando para reforçá-las. O melhor de tudo é que, quando termina o tempo, não é o pai dela que tem que ser o cara chato: é o aparelho dela que avisa que o limite, que ela mesma propôs, terminou.

Sem se dar conta, ela estabeleceu um “pacto de esforço”, um tipo de compromisso que envolve aumentar o esforço necessário para executar uma ação indesejável.

Não subestime a habilidade de uma criança de seguir adiante
Esse tipo de compromisso ajuda a tornarmos “não-distraíveis”. Muitos pais perguntam se tem um limite correto de tempo que crianças possam passar em frente às telas, mas não existe um número absoluto.

(Nota do editor: apesar de não existir um número absoluto, há indicações de médicos e especialistas.) Há muitos fatores em jogo, incluindo necessidades específicas da criança, o que a criança está fazendo na internet, e as atividades que o tempo de tela substitui.

Discussões e desentendimentos respeitosos são saudáveis

O mais importante é envolver a criança na conversa e ajudá-la a fazer suas próprias regras. Quando pais impõem limites sem a participação dos filhos, eles abrem brechas para ressentimentos, o que termina numa possibilidade bem grande de burlar o sistema.

Essas estratégias não são garantia de que a harmonia entre pais, filhos e tecnologia vai prevalecer. Devemos esperar discussões sobre o papel da tecnologia nas nossas vidas e na vida dos nossos filhos, assim como é normal ter conversas acaloradas sobre deixar o filhos adolescentes usarem o carro no sábado à noite, por exemplo. Discussões, desacordos e debates são sempre saudáveis, se acontecer de forma respeitosa.

Se há uma lição para tirar de tudo isso, é que distração é um problema como qualquer outro. Seja numa empresa grande ou numa família pequena, quando discutimos nossos problemas abertamente e num ambiente onde nos sentimos seguros e amparados, podemos resolvê-los juntos.

Uma coisa é certa: tecnologia está se tornando mais penetrante e persuasiva. Ao mesmo tempo que precisamos alertar as crianças de como esses produtos são desenvolvidos para serem envolventes e necessitar de engajamento, também precisamos reforçar a confiança no seu próprio poder para superar a distração. É responsabilidade das crianças — e também direito delas — usar o tempo com sabedoria.

O que é preciso saber sobre publicidade infantil?

Cerca de 95% dos aplicativos infantis para crianças menores de 5 anos contém algum tipo de publicidade, segundo um estudo publicado no Journal of Developmental & Behavioral Pediatrics. O estudo foi feito a partir de 135 apps e foi liderado pelo Hospital Infantil CS da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos.

Dos apps estudados, a categoria “Educacional” estava inclusa. Um terço dos apps analisados tinham a experiência interrompida por vídeo ads; nos apps grátis, ocorreu em mais da metade. Propagandas ou publicidade em banners apareceu em 17% de todos os apps e em 27% dos apps grátis.

Se questione sobre o que seus filhos consomem

Você sabe o que seus filhos estão consumindo nos aplicativos, incluindo as propagandas que aparecem? Ainda que existam filtros onde propagandas violentas não apareçam, você já parou para pensar na quantidade de produtos que são oferecidos para seus filhos?

Como desenvolvedores de aplicativos, sabemos que as empresas precisam lucrar com o produto. Mas precisamos analisar a coerência: é coerente que um aplicativo que ensina crianças em idade pré-escolar a ler ou a contar deixe seu público exposto à publicidade que incentiva o consumismo?

Mães e pais, não vejam somente o conteúdo produzido pelo aplicativo. Analise todo o conteúdo do app, incluindo as propagandas. Se você não concorda com o tipo de publicidade que contém no aplicativo, no canal de televisão ou no canal do YouTube, ou ainda a forma com que é feita a publicidade, troque de canal, dê outra alternativa de programa ou aplicativo para seu/sua filho/a utilizar.

Será que sai mais caro pagar por um app sem propagandas, ou deixar as crianças expostas aos ads?

Vamos às contas: se considerarmos um aplicativo onde as crianças precisam passar de fases, onde uma propaganda é mostrada a cada fase nova ou que a criança repete, e cada fase dura em média 3 minutos. Ao final de 1h de uso, que é o máximo recomendado por médicos para crianças de 2 a 5 anos de idade, a criança teria sido exposta a 20 propagandas. A mesma conta pode ser utilizada para plataformas de compartilhamento de vídeos.

Reflita sobre o assunto: o que você acha do seu/sua filho/a assistir tanta publicidade? Você contava com isso toda a vez que dá o celular ou tablet para que seu/sua filho/a utilize um app ou assista a um vídeo?

Publicidade e novas mídias

Com as redes sociais, youtubers e a vida tecnológica, a publicidade foi conquistando espaço no novo meio de forma diferente ao que funciona na TV. Por causa disso, surgiram vários casos de publicidade velada, apesar de ser ilegal antes mesmo da nova Lei Geral de Proteção de Dados Brasileira, segundo o artigo 36 do Código de Defesa do Consumidor de 1990.

Publicidade velada é quando uma publicação tem caráter publicitário mas não consta que é uma parceria paga. Isso ocorre em vídeos do YouTube, quando o youtuber falar sobre algum produto de forma sutil no meio do vídeo sem avisar que é publicidade paga, por exemplo.

Vale lembrar que a publicidade velada é proibida para qualquer público alvo, mas no caso da publicidade infantil é ainda mais sério por que crianças até 9 anos cognitivamente ainda não sabem separar o que é publicidade e o que é conteúdo.

:: TikTok: O que você precisa saber sobre a rede social popular entre crianças e adolescentes ::

Diálogo

Nosso objetivo aqui é conscientizar. Sabemos que o mundo é cheio de propagandas, publicidade e marketing, e que não podemos criar nossos filhos dentro de uma bolha. Mas é preciso pensar na quantidade e na qualidade da publicidade que as crianças consomem para, então, dialogar sobre publicidade e consumismo com elas.

De nada adianta blindar nossos filhos nos primeiros anos da infância para, quando começarem a escola no primeiro ano, se depararem com um mundo de propagandas na rua, na sala de aula, na casa dos amiguinhos, e não saberem o que é ou como lidar com tudo isso.

Quanto menos oferecermos publicidade para crianças, melhor, mas ela está em todo o lugar. Por isso, saiba quais os tipos de propagandas que seus filhos consomem e converse com eles sobre isso. Mais poderoso que privar, é conscientizar, e o diálogo é a forma mais poderosa de conscientização.

Explot e publicidade infantil no BIG Festival 2019

Luiza Guerreiro, a CEO da Explot, participou de uma mesa no BIG Festival sobre o assunto. A mesa Publicidade Infantil: O que pode e o que não pode no Brasil e na Europa aconteceu dia 29 de junho e foi mediada por Vicente Vieira, diretor de negócios da Manifesto Games. Thaís Nascimento Dantas, do Instituto Alana, e Renato Leite Monteiro, da Data Privacy Brasil, que ajudou a compor a Lei Geral de Proteção de Dados Brasileira, também fizeram parte da mesa trazendo informações importantes sobre o que mudou com a nova lei e um panorama geral de como a publicidade infantil funciona no Brasil. Todos discutiram sobre casos ruins de publicidade infantil, casos que estão no limite da lei, mas que não são vistos com bons olhos, e casos que estão dentro do aceitável.

12 dicas para escolher apps para seus filhos

Existe uma grande quantidade de aplicativos disponível nas lojas, ainda mais do universo infantil. Mas como decidir quais apps baixar para as crianças, ou como saber se são bons ou confiáveis? Fizemos uma lista com 12 dicas de como escolher apps para seus filhos.

Foto de uma mãe, sorrindo, com seus dois filhos numa cabana de cobertores utilizando um app infantil no iPad. Uma criança de aproximadamente dois anos e outra criança, sorrindo, de aproximadamente quatro anos. Há ilustrações de estrelas, um óculos com microfone na criança mais nova e uma tiara do poder.
Apps que simulam experiências estimulam a criatividade e não insere a criança em um mundo à parte em que ela perde a noção de tempo.

1) Compras dentro dos apps

Compras dentro dos apps, ou seja, quando os próprios aplicativos tentam vender “bônus” por exemplo, geram uma frustração na criança e uma ansiedade de consumir que está sendo ofertado. Claro que tudo tem um equilíbrio: não há problema nenhum em ter uma ou outra coisa que ofereçam para melhorar o desempenho de quem utiliza, mas em excesso e a ponto de causar ansiedade do usuário, pode ser perigoso.

2) Propaganda nos apps

Tente optar pelos aplicativos sem propagandas. Há estudos que indicam que as propagandas infantis em apps são mais violentas e “certeiras” do que as propagandas em televisão. Segundo uma matéria do popular Science baseado numa pesquisa publicada no Journal of Developmental and Behavioral Pediatrics, a regulamentação de propagandas infantis funciona diferente nos aplicativos: é menos efetiva, Para atingir a eficácia desejada, essas propagandas tratam crianças como pequenos adultos. No entanto, as crianças não conseguem perceber a diferença do que é propaganda e jogo dentro dos apps, e isso pode ser prejudicial.

3) Ícones de competência dos apps

Alguns aplicativos indicam os ícones de competência logo na descrição da loja. É bastante interessante pois você consegue ter uma noção das habilidades que seu filho pode desenvolver ao utilizar os apps. Exemplo: muitos de educação auxiliam na alfabetização.

4) Apps viciantes

Há algumas técnicas e estratégias utilizadas pelos apps de jogos que induzem ao vício. Existem alguns aplicativos liberados para crianças chamados ‘sandbox’, em que os usuários criam um mundo virtual e não existe nenhuma ou poucas dificuldades para que o jogador tenha objetivos ou barreiras dentro dos jogos, como terminar as vidas, por exemplo, que é o que faz os usuários pararem de jogar.

Outra dinâmica que leva ao vício são os jogos chamados ‘variable ratio reward’ (recompensa variável, em inglês), mesmo sistema utilizado em cassinos. Nesses games, o usuário consegue prêmios facilmente todos os dias, com qualidades aleatórias. Essa dinâmica faz com que o cérebro fique condicionado para checar os aplicativos diariamente e, com facilitadores como as roletas de prêmio do jogo ou a conexão com as redes sociais em que o usuário pode pedir vidas e prêmios aos amigos, os usuários passam horas voltando nos aplicativos para verificar se já pode voltar a jogar.

Há muitos apps com essas características no mercado e é preciso estar atento ao que as crianças consomem.

Mas e agora? Como posso saber quais apps não terão essas características?

De modo geral, os apps infantis que simulam experiências, como o preparo de uma comida, leitura de um livro ou um corte de cabelo são ótimos exemplos, pois a criança consegue fazer uma conexão com as experiências virtuais e o mundo real, e vice-versa. Estes aplicativos estimulam a criatividade e não insere a criança em um mundo à parte em que ela perde a noção de tempo.

Truth and Tales, um aplicativo que reúne livros infantis interativos, é o primeiro lançamento da Explot. Por enquanto, o aplicativo conta com um livro disponível, mas já estamos na produção dos próximos.

O nome do primeiro livro é A Criança e o Dragão, e conta a história de uma criança que procura pelo reino em que mora algo que lhe falta. A história traz vários minigames e é contada de tal forma que prende a atenção de quem lê.

5) Classificação indicativa

Só baixe os aplicativos que estiverem de acordo com a idade de sua/seu filha(o). Se a criança está fora da classificação indicativa, é porque o conteúdo é muito difícil ou há elementos dentro dos apps que não foram pensados para pessoas fora da classificação.

6) Controle de Luz Azul

Controle de luz azul serve para que o sono da criança não seja tão afetado quando os aplicativos são utilizado de noite. Há vários disponíveis com esta ferramenta.

7) Número de downloads e feedback

Checar o número de downloads dos apps e os tipos de comentários são boas referências para decidir se valem a pena, se funciona, se o desenvolvedor está a disposição para resolver bugs e responder os usuários.

8) Storytelling (narrativa)

Storytelling é a forma com que a história é contada, seja através de um jogo, apps de educação, ou vídeos. Sempre há uma história e um contexto por trás das coisas. E é importante checar se a criança consegue acompanhar a complexidade da narrativa, e se a mesma é apropriada com o contexto em que a criança vive.

9) Tipos de apps (jogo, social, vídeo, educativo)

É legal sempre ficar de olho nos tipos de apps que seu filho quer baixar. Ter um equilíbrio entre jogos, aplicativos de vídeo, educativos e livros vale muito a pena. Vale lembrar que apps sociais como Facebook e Instagram só são permitidos a partir dos 13 anos.

10) Selos e prêmios

Ter selos e prêmios significa qualidade, já que o aplicativo passou pela revisão e crítica de pessoas que não são os desenvolvedores e “competiu” com outros apps pelos selos ou prêmios.

11) Empresa

É sempre recomendável pesquisar sobre a empresa que desenvolve os jogos e aplicativos. Tem site? Desenvolveu outros apps? Existe um FAQ? Além disso, dá mais segurança se você tiver alguma dúvida ou problema para resolver em relação ao aplicativo.

12) Controle Parental

É uma ferramenta essencial nos apps para que a criança não tome algumas decisões sem a presença dos pais, como compras sem a permissão.